CINEMA, ENTRETENIMENTO

Relatos selvagens

Rivalidades e preconceitos à parte, o cinema argentino é muito bom. Melhor que o brasileiro, pra ser realista. Há vários filmes excelentes e uma boa dica para incursionar na filmografia dos hermanos sem maiores riscos: basta assistir a filmes estrelados com o Ricardo Darin, ator espetacular. Este foi o último a que assisti, em São Paulo, há poucos dias.

Esse filme aqui tem a participação do Darin, mas não dá pra apontar um ator ou atriz principal. São várias histórias independentes, relativamente curtas – e incríveis, impressionantes mesmo. Esses filmes que contam diversas histórias diferentes, sem conexão entre si, não são novidade. No entanto, como este aqui, eu não havia visto. Todas as seis histórias contadas são espetaculares. Com uma delas, a dos motoristas, eu cheguei a sonhar depois. Há ainda a história do “Bombita”, o Darin, um engenheiro indignado com abusos e burocracia estatal relativamente a uma multa de trânsito; o sensacional episódio do casamento, que duvido que deixe alguém indiferente. Todas as histórias, sem exceção, são excelentes.  Essa é uma indicação segura: não há como não gostar do filme.

Aliás, ao que soube, o filme concorre ao Oscar de melhor filme estrangeiro. Não conheço os concorrentes, mas eu diria que é forte candidato, até por ter assinatura de Pedro Almodóvar na produção, um sujeito com influência na academia de Hollywood que define a premiação. Mas isso não importa nada: vale a pena ver o filme de todo modo e a quem não viu, recomendo vivamente. O trailer abaixo dá uma pálida ideia do filme.