NOTÍCIAS

DEPUTADO QUER PROIBIR MMA NA TELEVISÃO. MAIS UM SUJEITO QUE NÃO SABE VIVER NUM REGIME DEMOCRÁTICO.

Cá pra nós, eu não sou muito fã de lutas, especialmente aquelas em que um ou ambos os lutadores saem do ringue ou octógono machucados, deixando o rastro de sangue no chão. Os tais MMA e UFC – nem sei a diferença de uma coisa e outra -, ou mesmo o velho boxe, nenhum me agrada muito. Eu até vejo uma ou outra luta, dessas muito divulgadas pela imprensa, ou seja, não tenho aversão absoluta, mas está longe de ser meu programa favorito.

No entanto, suponhamos que eu abominasse as tais lutas, me dessem asco, violassem minhas convicções religiosas e/ou filosóficas, etc. Nesse caso, o que poderia eu fazer? Não assistir, não é mesmo, não é óbvio? E quem gostasse, que assistisse. É assim que deve ser, ao meu ver.

Onde eu quero chegar? Na notícia abaixo, segundo a qual o deputado federal José Mentor (PT-SP) apresentou um projeto de lei que proíbe a exibição de lutas de MMA, em TV aberta ou fechada. Uma notícia dessas me desanima, pois reflete o grau primitivo da democracia brasileira.

Seja como for, uma série de perguntas que me parecem pertinentes:

1) esse deputado não tem nenhum assunto mais relevante com que se preocupar?;
2) ele não se dá conta de que seu projeto de lei está ancorado em uma visão totalitária, ditatorial, de mundo?;
3) não sabe também que a TV fechada, justamente pelo acesso restrito, é justamente o meio adequado a passar programas de conteúdo “impróprio” (não consegui achar palavra melhor), já que permite o acesso apenas ao interessado que se disponibiliza a pagar por ele? (neste acaso, aliás, não vejo nada demais na transmissão em rede aberta); e
4) será que ele já viu esses programas macabros da TV aberta, que passam em horários em que crianças de cinco anos estão assistindo, e que mostram, com narração dramática, os crimes mais bárbaros cometidos em nossas cidades?
5) não percebeu, ainda, que vedar, vetar ou censurar transmissões, hoje em dia, é um tiro n’água, considerando a existência da internet, incontrolável por natureza?

Taí o nível dos nossos deputados. Esse aí é um figurão do seu partido, não faz parte do chamado “baixo clero”. Um sujeito que pretenda impor a duzentos milhões de brasileiros, na marra, o seu gosto e suas convicções, não está preparado para viver num regime democrático.